Abelhão (Bombus terrestris e Bombus lucorum)

 

Abelhão (Bombus terrestris)

O Abelhão  (Bombus terrestris), Mamangaba para os brasileiros, é uma abelha amigável de maiores dimensões do que a abelha vulgar.
Apesar do seu tamanho, não consta que alguma vez tenha molestado alguém. Pelo menos, que eu saiba.
Tem uma vivência relativamente solitária e desenvolve-se em pequenos agregados que, ao que dizem, nunca excede os duzentos indivíduos.
Seria interessante escalpelizar o seu relacionamento social mas não cabe aqui contar essa história. Fica para outra oportunidade…

Abelhão (Bombus Bombus lucorum)

Carriça (Troglodytes troglodytes)

A Carriça (Troglodytes troglodytes) é uma das mais pequenas aves que temos na nossa avifauna, pois não excede os 10 cm de comprimento.

O seu nome científico designa-a como habitante das cavernas, certamente porque tem o hábito de andar metida em buracos e lugares escusos na caça a artrópodes de que se alimenta.

Todos a conhecemos, no mínimo, pelo seu canto, simultaneamente melodioso e estridente, pois, nos seus tempos livres, não faz outra coisa que demonstrar os seus dotes musicais, pousada num qualquer lugar fresco e protegido.

É o macho que constrói o ninho para o oferecer à sua amada como dote. Ou melhor, constrói vários e dá-lhe a escolher. Ela decidirá segundo as suas preferências…

Carriça (Troglodytes troglodytes)

Galinha-de-água (Gallinula chloropus)

Galinha-de-água (Gallinula chloropus)
Galinha-de-água (Gallinula chloropus)

A Galinha-de-água (Gallinula chloropus) é uma ave aquática que se pode observar em muitos rios e ribeiras, barragens, lagoas e até charcas. Tem um bico inconfundível de que sobressaem as cores vermelho e amarelo intenso.

Galinha-de-água (Gallinula chloropus)
Galinha-de-água (Gallinula chloropus)

É muito territorial e extremamente agressiva para com os intrusos pelo que são constantes as lutas entre concorrentes da mesma família.

Galinha-de-água (Gallinula chloropus)
Galinha-de-água (Gallinula chloropus)

Curiosamente essa agressividade contrasta com a meiguice e carinho com que trata das crias que, assim que nascem, começam logo a explorar as redondezas do ninho que, habitualmente, está localizado no meio dum reservatório ou curso de água.

Tem um ‘parente’ muito chegado, o Galeirão-comum (Fulica atra), que frequenta o mesmo habitat e tem comportamentos muito semelhantes, de que oportunamente apresentarei também algumas fotografias.